Aspirantes fazem outra grande atuação e já somam 12 gols em dois jogos; Confira as notas

Compartilhe

Com dois gols e uma assistência, Bergson é destaque na goleada por 4x0

A goleada do Athletico por 4×0 sobre o Maringá, fora de casa, foi um show ofensivo dos Aspirantes em tarde inspirada de Bergson, que marcou dois gols, deu uma assistência para Matheus Anjos e ainda fez o cruzamento para o gol contra do lateral esquerdo Prego, do Maringá. Por mais que Bergson tenha roubado a cena, a atuação coletiva da equipe também deve ser ressaltada, muita ofensividade e um volume de jogo que poderia ter rendido mais gols nesta tarde.

 

Os Aspirantes se comportaram muito bem ao longo da partida, tendo dificuldades no começo devido ao gramado encharcado, mas conseguindo superar a dificuldade e criar inúmeras chances de gol, principalmente no segundo tempo. Nesse esquema onde os zagueiros e volantes dão segurança para os laterais atacarem ao mesmo tempo, o Athletico tem tido apresentações muito ofensivas e de muita velocidade. Nesses dois jogos do segundo turno, já é possível se observar uma equipe bem mais ofensiva e vertical, buscando o gol a todo momento. O lateral-direito Khellven também foi destaque na partida de ontem, sendo a principal válvula de escape do ataque atleticano.

 

Os volantes Erick e Christian foram peças importantíssimas na forte marcação no meio de campo, impedindo que o Maringá tivesse liberdade para acelerar as jogadas jogadas. Eles também foram importantes na parte ofensiva, organizando as saídas de jogo e se revesando para chegar ao campo de ataque como elemento surpresa, pisando na área ou entrando em diagonal para fazer o cruzamento.

 

A equipe conseguiu imprimir seu ritmo de jogo e sufocou o Maringá, principalmente no segundo tempo da partida, tendo controlado a partida durante todo o tempo. Com a subida de produção nessas duas primeiras partidas da Taça Dirceu Krueger, a equipe de Rafael Guanaes mostra uma melhora em todos os setores, sendo praticamente outro time. As jogadas improdutivas e posse de bola estéril deram lugar a um time muito rápido, que busca o gol a todo instante e tem muitas alternativas nas bolas lançadas nas costas da defesa. Ponto para o treinador que conseguiu arrumar sua equipe com tempo.

 

Confira as notas:

 

Léo (5) – Oscilou bons e maus momentos durante a partida, ao mesmo tempo que errou passes e mostrou pouca segurança em bolas cruzadas ele também fez duas defesas difíceis em lances pontuais que poderiam ter representado outra história na partida. Mesmo assim é pouco para o goleiro considerado reserva da equipe principal, precisa readquirir a confiança em seus tempos de Paraná, melhor fase da carreira, para se manter no Athletico.

 

Lucas Halter (7) – Foi o melhor zagueiro do Athletico na partida, muito firme pelo lado direito, quase não errou passes e ainda ganhou todas as jogadas em cima dos atacantes adversários. É um atleta que já se mostra pronto para o nível profissional e apresenta larga experiência em seleções de base, atributos que já o colocam como opção para o treinador Tiago Nunes. Nesta partida não teve tanto trabalho defensivo, pela imposição do time atleticano, mas quando precisou intervir foi muito bem.

 

Zé Ivaldo (6,5) – Foi bem na partida, ganhando os duelos pelo alto com o atacante do Maringá e sendo seguro nos passes. Também não teve muito trabalho na partida, já que o adversário não chegou tanto no ataque, mas se mostrou firme e foi peça importante na saída de jogo, tendo tranquilidade quando o Maringá avançava as linhas e pressionava a saída atleticana.

 

Éder (6,5) – Jogar como zagueiro de sobra, mais protegido, tem feito bem para ele. Contra o Maringá ele foi bem, não tendo muito trabalho, mas se mostrando firme e muito superior aos atacantes adversários. Errou pouquíssimos passes na partida, está demonstrando um futebol bem mais regular que no primeiro turno.

 

Khellven (8) – Muito bem nesse esquema em que o lateral é quase que um ponta, com muita liberdade ofensiva está sendo o destaque desse time de Aspirantes. Na partida contra o Maringá foi a principal válvula de escape para a equipe e criou diversas chances de gol em ultrapassagens e bons cruzamentos. É um lateral muito bom tecnicamente e rápido, essa velocidade ajuda na recomposição e faz com que ele seja extremamente perigoso no ataque. Foi substituído por Bruno Rodrigues no segundo tempo.

 

Christian (7,5) – Vem demonstrando ser um volante muito interessante, de boa qualidade no passe e marcação, além de inteligente na parte ofensiva. Na partida contra o Maringá foi o jogador que deu o ritmo para o time, levando a bola da defesa para o ataque e sendo o articulador que o time precisava, já que Marquinho não conseguiu exercer a função. Além de articular a maioria das jogadas ofensivas também foi importante na marcação apertada do meio de campo, que impediu o adversário de colocar velocidade nos ataques.

 

Erick (7,5) – Tem sido o jogador mais regular nessa campanha do Campeonato Paranaense, até quando a equipe ainda não apresentava um bom futebol ele ia bem e se salvava. Nesta partida foi importante na organização da saída de bola e também auxiliando Christian a ditar o ritmo do meio de campo atleticano, ambos tem feito uma dupla muito interessante. Mostra muita calma com a bola no pé e também vigor na marcação, é outro atleta pronto para o nível profissional e deve ganhar chances ao longo do ano, vem jogando muito bem.

 

Vitinho (6,5) – Teve muita liberdade pelo lado esquerdo, mas não conseguiu fazer um bom jogo. Errou muitos passes e tomou decisões equivocadas em momentos cruciais da partida, poderia ter feito mais jogadas individuais e chamado um pouco mais a responsabilidade, principalmente no primeiro tempo. É uma importante peça para o ataque atleticano e nesta partida teve oportunidades de se firmar ainda mais na posição, mas acabou pecando em alguns momentos. É bom jogador e é natural uma certa irregularidade nessa idade, hoje não foi bem igual na partida passada.

 

Marquinho (6) – Pouco participativo na partida e um pouco perdido nessa movimentação da ponta para o meio. Aparentemente ainda não se encontrou nesse novo esquema de Guanaes, Na partida contra o Maringá teve sérias dificuldades de seguir o ritmo dos companheiros, além de fisicamente mal ele ainda está aprimorando a parte técnica. Sua nova posição requer uma maior participação nas jogadas ofensivas, mas uma movimentação de marcação pelo lado do campo, requisitos que o jogador não está conseguindo suprir. Foi substituído por Matheus Anjos no segundo tempo.

 

Jáderson (6,5) – Sentiu dificuldades de jogar, principalmente no primeiro tempo, e não fez uma boa partida. Conseguiu alguns bons momentos de drible, mas no todo da partida foi mal, perdendo lances fáceis e errando muitos passes. Mesmo assim foi importante para a equipe em lances individuais, pela grande qualidade técnica e drible que possuí. Poderia ter participado mais em lances de finalização e assistência, ficou devendo e foi substituído por Bill no segundo tempo.

 

Bergson (8,5) – O melhor jogador do Athletico na partida. Finalmente fez o que se espera dele, marcou duas vezes e ainda deu duas assistências, uma para Matheus Anjos e outra para Prego marcar contra e se isolou na artilharia do Paranaense. Na partida foi muito participativo durante o jogo todo, saindo da área e articulando as jogadas ofensivas desde o meio de campo. Fez também sua melhor partida com a camisa do Athletico até aqui, mandou na partida e é o principal responsável pela vitória.

 

Bill (6,5) – Pelo pouco que participou foi muito bem, principalmente no lance do pênalti sofrido. Entrou imprimindo muita velocidade pelo lado e também muita briga na marcação. Entrou ligado e mostrou qualidade em lances de velocidade, ainda assim é um jogador inteligente taticamente e se compromete com muita intensidade na marcação, característica importante para um jogador de lado que atue no Athletico.

 

Matheus Anjos (7) – Entrou mais ligado que Marquinho e foi muito mais participativo, se movimentando mais e organizando as jogadas ofensivas. Entrou ligado e liberou os volantes da organização e articulação de jogadas. Foi premiado com um gol e pode ganhar a posição de Marquinho ao longo dos jogos, sendo mais jovem e intenso que o veterano meia.

 

Bruno Rodrigues (6) – Entrou como ponta pela esquerda sem muito tempo para demonstrar seu futebol, foi muitas vezes para o drible e tentando ser objetivo em todas as jogadas, mas não ofereceu perigo ao goleiro adversário. Vem sendo uma opção muito utilizada no campeonato e já oscilou bons e maus momentos na competição.

 

Rafael Guanaes (8) – Armou uma equipe muito ofensiva e conseguiu manter o mesmo ritmo imprimido nos jogos na Arena, méritos totais para ele nesse aspecto. A nova formatação tática também ajuda a equipe a ser ofensiva, com os dois laterais atuando como pontas e os volantes tendo função de marcar e chegar na área adversária a equipe normalmente ataca com 5 ou 6 jogadores, tendo superioridade numérica e achando espaços na defesa adversária. Foi bem nas substituições e já mostra uma evolução considerável em relação ao time do primeiro turno.

 

Veja também