Athletico e Corinthians empatam por 2×2 em Itaquera

Compartilhe

Com 4 gols no primeiro tempo, goleiro Léo, Thonny Anderson e Cittadini foram destaques da partida

Com Santos e Bruno Guimarães na seleção brasileira, Nikão e Pedro Henrique lesionados, Adriano suspenso e Marco Ruben de luto, o Athletico entra em campo com 6 desfalques. “Temos desfalques, mas temos nosso jeito de jogar”, disse Tiago Nunes confiante antes do início do jogo. O time paranaense tinha a missão de se aproximar do G6 e quebrar o jejum de 10 anos sem vencer o alvinegro fora de casa. O time paulista, inclusive, foi um dos únicos que venceu o rubro-negro na Arena da Baixada nesta temporada, por 2×0. A equipe paulista também estava em busca de se manter no topo da tabela, estando em 4 lugar  no campeonato. A noite prometia um jogo disputadíssimo, com altos e baixos para ambas as equipes e uma série de reviravoltas nas emoções dos torcedores.

 

Primeiro tempo

O Athletico começa o jogo, como esperado, pressionando a equipe adversária. Aos 3′ o Furacão perdeu um gol de forma inacreditável. Cássio se perdeu no momento de trabalhar com os pés e Thonny Anderson tomou a bola, tocando para Cittadini, que ficou de frente com o gol sem goleiro, mas no aparente desespero não conseguiu chutar a bola. No rebote, Cirino também estava livre para balançar a rede, mas chutou por cima da trave. Foram 2 gols “feitos” perdidos em uma mesma jogada.

 

O atual campeão da Copa do Brasil continuou ofensivo. Aos 10′, depois de uma cobrança aberta de escanteio, Léo Pereira teve sua chance de abrir o placar para o Furacão, mas foi impedido por uma cabeçada do zagueiro corintiano.  Apesar da postura agressiva, a equipe também cometia alguns erros de defesa, permitindo a chegada de Clayson à área athleticana pela lateral direita. Aos 15′ os efeitos dessas falhas foram sentidas pela equipe. Depois de um contrataque, Rony estava com a bola no pé e mandou a bola para escanteio. Na cobrança de bola parada, Thiago Heleno, depois de muito tempo fora de campo, demorou a marcar Gil, que cabeceou a bola para o fundo da rede, abrindo o placar para o Corinthians (COR 1×0 CAP).

 

O rubro-negro tentou reagir. Logo após o gol, o primeiro cartão amarelo foi dado para Avelar por uma falta em Cittadini, que arrancava em direção ao ataque. Aos 21′, depois de um ótimo passe de Thonny, Cirino novamente manda a bola pra fora, desperdiçando a chance do empate. Mas apenas 2 minutos depois, o camisa 38 mandou mais um passe com maestria para Léo Cittadini, que fez uma finalização perfeita deixando o placar tudo igual na Arena (COR 1 x 1 CAP).

 

Aos 27′, Rony ativou sua característica mais marcante, sua velocidade, e disparou em busca de vantagem para o Furacão. Mas Fagner empurrou o ponta, sendo marcado pênalti pelo árbitro. Mas em uma checagem do VAR, foi visto que a falta foi cometida na meia-lua. A falta, na entrada da Grande Área, era perigosíssima de qualquer forma. Thiago Heleno encheu o pé para bater a falta e a bola parou na barreira. Ainda no mesmo minuto, com o jeitinho do Furacão de fazer um jogo rápido, Wellington lançou a bola para área novamente e Erick, perfeitamente posicionado, balançou a rede, virando o jogo à favor do rubro-negro (COR 1×2 CAP).

 

Aos 33 minutos eram 8 finalizações do visitante contra apenas uma do time da casa. Depois da gloria, o susto. O time paulista partiu para recuperar o gol sofrido, contando novamente com cobrança de bola parada muito consistente. em um escanteio, Gil recebeu o cruzamento e chutou a bola na trave, Clayson pegou o rebote e mandou a bola pro gol, mas o goleiro Léo se atirou para defender a bola. Wagner Love pegou então o segundo rebote e o goleiro do Furacão novamente fez uma defesa gloriosa, mantendo a vantagem athleticana. Depois foi constatado que Love estava impedido na jogada, mas a raça do goleiro reserva foi invariavelmente impecável.

 

O alvinegro continuou pressionando, e o Athletico, mais sóbrio, investiu na defesa em busca de manter o resultado. Aos 47′, na ânsia de defender a equipe, Rony cometeu 2 faltas seguidas no campo de ataque corintiano, levando cartão. E foi na cobrança da falta que Boselli, na pequena área, marcou o quarto gol do primeiro tempo, o segundo de bola parada da equipe paulista (COR 2×2 CAP). A primeira parte terminou aos 50′ com tudo igual em Itaquera, mas com um Athletico com muito mais criatividade e estatisticamente muito mais consistente com o mandante, que se garantiu pelas boas bolas paradas.

 

Segundo tempo

 

A segunda parte iniciou com o Corinthians tentando acelerar o jogo, em busca da vantagem. O Athletico trabalha bem a bola e mantém o domínio, impedindo as criações do oponente. Com jogadas muito mais mornas que no primeiro tempo, o Furacão tenta pressionar, sem perigo real. Rony estava irritado, discutindo com o árbitro e o oponente estava mais coerente no domínio da bola. A ousadia ficou por conta de Cittadini e Thonny Anderson, criando dribles abusados pra cima da zaga corintiana. Depois de uma chance de gol corinthiano, impedida por outra grande defesa de Léo, Thonny driblou toda a defesa adversária, ficando frente a frente com a rede, mas a oportunidade foi espalmada por Cássio.

 

Até a primeira metade do tempo regular, as equipes estavam muito equilibradas, ambas com finalizações sem grande risco, erros de defesa e algumas faltas cometidas. O Athletico estava muito menos criativo, por estar com menos espaço por conta da defesa corintiana bem mais consistente que no primeiro tempo. Aos 26′, Boselli teve boa movimentação e ficou livre para finalizar, mandando pela lateral do gol com muito perigo. Tiago Nunes, irritado com Rony marcando faltas e desperdiçando chances  com finalizações de fora da área, substituiu o camisa 7 por Vitinho. E logo na sua primeira jogada, aos 28′, arrancou um ataque rápido, deixando para Erick finalizar. Mas, sem muita força na hora de chutar para o gol, a bola ficou para Cássio sem grandes dificuldades.

 

Até os 30′, a posse de bola era de 60% do Furacão contra 40% do alvinegro. O clima muito mais tranquilo que o toma-lá-da-cá do primeiro tempo não deixou o jogo chato, com ambas as equipes dando a raça pela vantagem, mas sem grandes chances pela melhora técnica na defesa do Corinthians. Aos 35′ Lucho entrou no lugar de Eric, dando um que de experiencia no reforço. Na reta final, o empate parecia cada vez mais provável, apesar dos sustos tomados pelo Athletico com investidas de Fagner. Aos 42′ o Furacão fez sua última substituição, entrando Braian Romero no lugar de Thonny Anderson. Apesar das inúmeras tentativas de investida, a criatividade do Furacão seguiu travada pela marcação.

 

Sem mais destaques, a partida terminou aos 49′ com o empate por 2×2. Com o resultado, o Furacão seguiu com posição inalterada no Brasileirão, em nono lugar. Um bom resultado para equipe, já garantida na Libertadores 2020. Thonny Anderson, com passes perfeitos, dribles ousados e jogadas admiráveis, tendo quase marcado um gol de tabela, foi eleito craque do jogo. A partida teve o segundo pior público na Arena Corinthians no ano, com 22 mil pagantes.

 

 

 

 

 

Veja também