Athletico perde para o Peñarol e avança em segundo para o mata-mata da Libertadores

Compartilhe

Jejum de vitórias do Furacão aumenta para sete jogos

Com a equipe mista, o Athletico perdeu para o Penãrol por 3 a 2 na noite desta terça-feira, em Montevidéu, pela sexta e última rodada da fase de grupos da Libertadores. Com o revés, o Furacão terminou na segunda colocação da chave e, agora, aguarda o sorteio da Conmebol na próxima sexta-feira para conhecer o adversário das oitavas de final.

 

Este foi o sétimo jogo do Rubro-Negro sem vitória. A última vez que os comandados de Eduardo Barros puderam comemorar três pontos foi no dia 26 de setembro, com o triunfo sobre o Bahia pelo Brasileirão. Sem tempo para se lamentar, o Athletico já recebe o Grêmio na Arena da Baixada no próximo domingo, às 18h15, de volta ao Campeonato Brasileiro, precisando do resultado positivo para sair da zona de rebaixamento.

 

PRIMEIRO TEMPO


A partida não começou nada boa para o Furacão. Logo na primeira chance de gol dos donos da casa, aos dois minutos de jogo, o zagueiro Formiliano abriu o marcador. A defesa atleticana não conseguiu afastar uma bola levantada na área, e o defensor auri-negro, em condição duvidosa, empurrou para o fundo do gol livre de marcação.

 

Pressionado na saída de bola pela alta marcação do Peñarol, o Athletico encontrou dificuldades para sair jogando, apostando na ligação direta. Sem agredir o adversário, o time de Eduardo Barros sofria com as chegada em velocidade dos uruguaios. O excesso de erros de passes e transições do Rubro-Negro preocupavam. Nos primeiros 25 minutos, foram seis finalizações do adversário, enquanto apenas três à favor, sendo duas bloqueadas e uma para fora. Nos últimos 15 minutos da primeira etapa, o Peñarol abaixou as linhas de marcação e esperava pelo erro do Athletico para disparar no contra-ataque.

 

Na primeira boa trama paranaense veio o empate. Aos 35, após longa troca de passes, Nikão foi lançado nas costas da marcação dentro da área, dominou e tocou na segunda trave para Lucho apenas empurrar para o fundo do gol- o quinto tento do argentino com a camisa rubro-negra em Libertadores.

 

A igualdade deu confiança ao time. No lance seguinte, Fabinho disparou pela esquerda, cortou para o meio e chutou com perigo por cima da meta de Dawson. A resposta do Peñarol não demorou. Urretaviscaya aproveitou o erro de Richard e Giovanni González mandou na trave de Santos.

 

De quase vilão para herói. O mesmo Richard aproveitou um corte incompleto de Gargano na intermediária, aos 44, dominou e mandou uma bomba no ângulo direito. Dawson até tocou na bola, mas não foi capaz de impedir um lindo gol do meio-campo do Furacão.

 

Apesar dos altos e baixos dentro dos 45 minutos, o Athletico mostrou um poder de reação importante e não se deixou levar por ter saído atrás logo no primeiro lance.

 

SEGUNDO TEMPO


Os papéis se inverteram no segunda tempo. O Athletico esperava o adversário e saia em contra-ataque. Aos três minutos, Lucho puxou contra-ataque e rolou para Nikão, que desperdiçou. Com os 11 jogadores atrás da linha da bola, o Furacão se segurava bem lá atrás.

 

A primeira vez que o goleiro atleticano precisou ser acionado saiu de um erro do próprio. Santos recebeu na fogueira, tentou afastar, mas a bola caiu no pé de Urretaviscaya. O camisa 27 do Peñarol acabou por desperdiçar uma grande chance. O lance animou os donos da casa, que precisavam de uma vitória para ter a chance de avançar para o mata-mata.

 

Novamente em jogada de bola parada e falha defensiva, os donos da casa empataram. Após cobrança de escanteio, Formiliano desviou e Kagelmacher não desperdiçou. Uma nova virada quase aconteceu aos 20. Álvarez Martinez recebeu dentro da área sozinho e isolou.

 

Aos poucos, o Athletico neutralizava as subidas do Peñarol, que claramente já não tinha o mesmo vigor físico do início. Eduardo Barros mandou Bruno Leite e Ravanelli para campo afim tentar segurar um pouco mais a bola, mas as mexidas não surtiram grande efeito.

 

Aos 35 minutos, novo vacilo e novo gol do Peñarol. Em bola de profundidade na ponta esquerda, a defesa do Furacão parou e Giovanni González alcançou. O lateral conseguiu fazer o cruzamento, que achou Britos. O centroavante guardou de cabeça.

 

Sem capacidade de reação, o Athletico não conseguiu assustar e acabou por derrotado mais uma vez.

FICHA TÉCNICA

PEÑAROL- URU 3 X 2 ATHLETICO

Estádio: Campeón Del Siglo, Montevideo (URU)

Arbitro:  Jose Mendez (PAR)

Auxiliares: Milciades Saldivar e Eduardo Cardozo (PAR)

GOL: Formiliano, aos 2 minutos do primeiro tempo; Kagelmacher, aos 17 do segundo tempo; Britos, aos 35 do segundo tempo (Peñarol); Lucho González, aos 35 do primeiro tempo; Richard, aos 44 do primeiro tempo (Athletico)

Cartões Amarelo: Álvarez Martínez (Peñarol); Ravanelli (Athletico)

PEÑAROL: Dawson, Giovanni González, Formiliano, Kagelmacher e Piquerez; Gargano (Cristian Rodríguez), Trindade, Urretaviscaya e Facundo Torres; Álvarez Martínez (Britos) e Terans
Técnico: Mario Saralegui

ATHLETICO: Santos, Alvarado, Felipe Aguilar, Zé Ivaldo e Khellven; Erick, Richard, Lucho González (Ravanelli) e Fabinho (Geuvânio); Nikão (Carlos Eduardo) e Bissoli (Bruno Leite)
Técnico: Eduardo Barros

Veja também