Athletico precisa manter o radar ligado para revelações no mercado nacional

Compartilhe

Negociações como a de Abner podem ser um modelo interessante para o futuro

Ainda que esteja com um ótimo caixa, o Athletico não irá para o mercado em busca de jogadores como Arrascaeta, Gerson ou Gustavo Gómez, que geralmente demandam de um investimento desproporcional e um salário muito acima da média do elenco. Outra possibilidade seria concentrada nos jogadores veteranos sem contrato, como foi a especulação envolvendo Adriano. Nesse caso, o benefício está na viabilidade pelo preço da transferência, que muitas vezes não existe. O salário e o retorno financeiro em uma futura negociação, porém, nem sempre compensam.

 

Os olhos, nesse sentido, devem ficar voltados pra outro tipo de negociação. Abner, da Ponte Preta, está chegando no Athletico após o pagamento da multa rescisória, de 10 milhões de reais. Ao trazê-lo, o Furacão venceu a concorrência de clubes como Corinthians, Sporting e Benfica, que fizeram ofertas inferiores, fato que mostra a mudança de patamar no mercado.

 

Obviamente estamos falando de um valor alto, especialmente considerando que Abner teve apenas treze jogos como profissional. Sendo assim, existe risco. Várias equipes já tentaram “antecipar” craques e não receberam aquilo que esperavam, vendo a maior parte de seu investimento sendo desperdiçado. Ainda assim, a possibilidade de retorno é o que faz o risco valer a pena.

 

Dependendo do desempenho de Abner na equipe de Tiago Nunes, é possível afirmar que os 10 milhões de reais serão um valor irrelevante daqui um tempo. É um tipo de caso que acontece muito quando os europeus olham para o Brasil, investindo um valor alto por alguma promessa que ainda não e provou completamente. Entretanto, é questão de alguns bons jogos em outro continente para que seu valor duplique.

 

Dentro de toda essa lógica, o Athletico precisa se manter ativo quanto a promessas do futebol nacional, especialmente aquelas que não estão concentradas no chamado “G12”, e sem menosprezar o quantidade de talento que pode existir na Série B. Sendo assim, é provável que em algum momento o clube quebre a cara e acabe jogando dinheiro fora, mas, com o retorno de vendas futuras, é certo que o clube se manterá saudável financeiramente, sempre rendendo, mesmo que nem tudo saia como o planejado. Lembrando que, apesar de as cifras serem bem mais modestas que as de Abner, o Furacão já apostou em negócios semelhantes, como foi com Denner, Pedrinho e até mesmo Bruno Guimarães.

 

Entre pagar um alto salário para um jogador considerado “garantido” e apostar em alguma promessa com possibilidade de alcançar olhares europeus, a segunda alternativa parece ser a melhor para o Athletico no momento, já que o clube terá mais possibilidade de investimento nos próximos anos. É claro, também, que não podemos nos contentar sendo apenas investidores/negociadores, sabendo também quando recusar uma oferta (como foi o caso de Lucas Halter), aproveitando o máximo de seus talentos para, quem sabe, alcançar títulos, como foi o caso da Copa Sul-Americana. Seguindo esse caminho, é difícil pensar em um futuro difícil para o Furacão.

Veja também