Athletico tem atuação brilhante em goleada sobre o Boca; Confira as notas

Compartilhe

A estrela da noite foi Marco Ruben com seus três gols

Em uma partida impecável coletivamente, o Athletico venceu o Boca Juniors por 3 a 0 e agora lidera o grupo G da Libertadores. Marco Ruben foi o artilheiro da noite, marcando os três gols da partida, e teve a companhia de Rony, Renan Lodi e Bruno Guimarães como os melhores em campo.

 

O jogo começou difícil para o Athletico, que esbarrou em um Boca Juniors calmo e com mais posse de bola. Os xeneizes até tiveram duas chances claras de gol antes do primeiro atleticano, uma com Benedetto de cabeça e outra com Tevez, em um chute defendido pro Santos. Após alguns minutos de pressão, o Athletico se achou em campo e começou a ter espaços, principalmente pelo lado esquerdo de ataque, nas costas do lateral Buffarini.

 

Inclusive, foi o lateral direito argentino que perdeu a bola para Rony no primeiro gol atleticano. O Camisa 7 recuperou a bola e com muita velocidade chegou ao fundo, após um bom cruzamento para trás, Lucho Gonzalez finalizou mal e a bola sobrou para Marco Ruben empurrar para o gol.

 

No segundo tempo o Atletico cresceu de produção, mas ainda deixava espaços para o Boca jogar, neste panorama a partida ficou “lá e cá”, com chances claras de gols para os dois lados. Até que Lucho Gonzalez recuperou uam bola no meio de campo e proporcionou um contra-ataque com muito espaço para o Athletico. Bruno Guimarães, que foi o principal organizador do Athletico na partida, partiu para a jogada individual e conseguiu fazer um bom cruzamento para Marco Ruben empurrar para o gol vazio, marcando seu segundo gol.

 

Após o segundo gol o Boca relaxou e o Athletico começou a ter cada vez mais espaço nos contra-ataques. O terceiro gol saiu após um cruzamento na área que o pequeno Rony ganhou de cabeça e mandou na trave, no rebote Marco Ruben ganhou de cabeça do zagueiro e marcou seu triplete.

 

A equipe de Tiago Nunes mostrou muita intensidade na partida, marcando forte o Boca e sendo muito vertical, principalmente quando acionava Rony pelo lado esquerdo. A equipe armada com três “volantes” surtiu efeito nesta partida e foi um dos pontos altos da organização e solidez atleticana na partida. A válvula de escape com Renan Lodi pelo lado esquerdo se mostrou a principal arma rubro-negra, principalmente quando Lodi e Rony atacavam ao mesmo tempo e causavam muita dificuldade para Buffarini.

 

Confira as notas:

 

Santos (7) – Não foi muito exigido na partida, de grande defesa apenas em um chute de Tevez ainda no primeiro tempo. Errou algumas saídas de bola, mas fez uma partida segura sem comprometer.

 

Jonathan (7) – Foi discreto na partida, apoiando menos o ataque e tendo importância na marcação pelo lado esquerdo de ataque do Boca. Mesmo ficando mais preso na linha defensiva, fez uma boa partida, errando poucos passes e tendo muita calma para jogar.

 

Thiago Heleno (8) – Ganhou praticamente todas as bolas pelo alto e foi muito firme na marcação do atacante Benedetto. Partida impecável do General, que deu toda a segurança defensiva para o time conseguir desempenhar um bom futebol na partida.

 

Léo Pereira (7) – Foi bem na partida, mas falhou em algumas saídas de bola que geraram boas situações para o Boca. Mesmo assim, fez uma boa partida pelo alto e conseguiu ajudar na criação de jogadas pelo lado esquerdo, dando espaço para Renan Lodi ir para frente com frequência.

 

Renan Lodi (8,5) – Mais uma vez um dos melhores em campo pelo Athletico, desequilibrou a partida e se mostrou a principal peça de ataque atleticana, junto com Rony. Teve trabalho na marcação de Villa, mas compensou nas jogadas ofensivas e foi uma peça importante para a transição entre defesa e ataque.

 

Camacho (8) – Fez uma partida muito boa, organizando as saídas de bola e sendo firme na marcação, característica que não é seu forte. Foi inteligente no momento de apertar a marcação para recuperar a bola e muito participativo, principalmente no segundo tempo. Saiu para a entrada de Léo Cittadini no segundo tempo.

 

Lucho Gonzalez (7,5) – Fez uma boa partida, mas podia ter participado mais do jogo. Tiago Nunes explicou sua escalação pelo fato de Lucho ser um jogador que circula a bola mais rápido, ao invés de segurar ela como Tomás Andrade. Nessa função Lucho foi importante, mas podia ter chamado mais a responsabilidade e entrado mais no jogo, principalmente no primeiro tempo, quando o Athletico teve certa dificuldade para sair da pressão do Boca. Cansou no segundo tempo e foi substituído por Wellington no segundo tempo.

 

Bruno Guimarães (8,5) – Ditou o ritmo do meio de campo rubro-negro e foi mais uma vez muito bem na partida. Em 2019 Bruno vem jogando em uma função com menos obrigações defensivas e mais obrigações de criação, fazendo a função de um meia praticamente. Nessa função ele foi muito bem mais uma vez, dando uma assistência para Ruben e sendo importante na organização das jogadas defensivas e circulação de bola. Foi substituído por Marcelo no segundo tempo.

 

Rony (9) – O melhor em campo pelo Athletico, roubando muitas bolas e imprimindo velocidade em todos os momentos. Fez uma dobradinha interessante com Renan Lodi pelo lado esquerdo, sendo a principal peça para criar jogadas ofensivas da equipe. Sofreu faltas, chutou no gol e criou inúmeras chances, tendo como função simplesmente partir para cima dos defensores adversários.

 

Nikão (7,5) – Ficou um pouco apagado com relação aos seus companheiros, mas fez uma partida interessante. Teve dificuldades em segurar os adversários no corpo, característica principal do seu estilo de jogo, e por isso foi menos utilizado que Rony. O sistema defensivo do Boca estava melhor montado pelo lado esquerdo, outro fator que dificultou a atuação do camisa 11 atleticano. Mesmo com essa dificuldade, Nikão foi bem na partida, errando poucos passes e cadenciando o jogo quando era necessário.

 

Marco Ruben (10) – Vitória por 3×0 sobre o Boca, com três gols dele, só isso já explicaria a nota. Ruben realmente participa menos da partida, neste jogo foram 12 passes em 90 minutos apenas, mas os três gols mostram porque ele é tão badalado. Jogar extremamente inteligente para se posicionar, sempre estando próximo da bola dentro da área, foi muito decisivo e leva um merecido 10.

 

Wellington (6,5) – Teve pouco tempo para jogar, mas no período que ficou em campo não comprometeu, apenas errando um passe importante.

 

Marcelo (6,5) – Perdeu o que seria o quarto gol de maneira incrível, mas também não teve tempo de demostrar seu futebol.

 

Léo Cittadini (sem nota) – Não jogou tempo suficiente para ter nota.

Veja também