Cruzeiro, Petraglia e Mattos trocam acusações por Vitor Roque

Compartilhe

Presidente e CEO de Futebol do Furacão rebateram duramente a nota oficial do clube mineiro

Após contratar o atacante Vitor Roque e registrá-lo no BID, o Athletico sofreu acusações do Cruzeiro através de nota oficial na noite desta terça (12). O clube acusa o diretor de futebol athleticano Alexandre Mattos de ter utilizado informações da época em que trabalhava em Minas e também faz sérias críticas ao empresário do atleta, André Cury. Confira a nota:

O Cruzeiro Esporte Clube, em sua nova gestão, tem como princípio a transparência em todos os temas relevantes à sua torcida, imprensa e ao universo do futebol. Por isso vimos a público dar luz aos fatos que envolvem o atleta Vitor Roque.

Ao longo de todo o mês de março, a diretoria de futebol estabeleceu diversas conversas e negociações com os agentes André Cury e Francisco Rocha, caminhando para a formalização do novo vínculo com o ajuste salarial pretendido por eles para a renovação do Contrato de Trabalho do atacante. Entretanto, em vias de finalizar o negócio, as respostas obtidas começaram a se tornar esparsas e evasivas.

O Cruzeiro, verificando a obscena e já conhecida falta de ética de André Cury, mas determinado em contar com o atleta, e no exercício do seu direito de renovação do primeiro contrato de trabalho previsto pela Lei Pelé, foi diligente e formalizou sua proposta com protocolo do documento na Federação Mineira de Futebol.

(…)

Não nos assusta o fato de tal processo ter sido articulado por André Cury e Alexandre Mattos, ex-diretor de futebol do Cruzeiro – que hoje exerce cargo similar no Athletico Paranaense. É notório que ele faz uso das informações contratuais que carregou do Cruzeiro em benefício de seu novo empregador.

Lamentamos que o atleta, extremamente mal assessorado, tenha embarcado para o Paraná optando por violar seu contrato de trabalho ainda vigente e abandonado sem autorização seu ofício. Aproveitamos para tornar público o nosso repúdio pelas práticas amadoras adotadas por André Cury. 

De qualquer forma, o Cruzeiro Esporte Clube, com tranquilidade e conhecedor de seus direitos, não hesitará em adotar todas as medidas necessárias para preservá-los.

Em entrevistas à imprensa de Minas Gerais, Alexandre Mattos e Mário Celso Petraglia rebateram as negociações e disseram que negociaram o jogador diretamente com Ronaldo, presidente da SAF, e com Paulo André, diretor de futebol do Cruzeiro.

Ao programa Arena 98 FM, Alexandre Mattos respondeu duramente a nota do Cruzeiro. Mattos disse que soube que dois clubes estavam dispostos a pagar a multa de Vitor Roque:

“Fui no Petraglia e disse que a multa era de R$ 24 milhões. Na mesma hora, o Petraglia me falou pra ligar pro Ronaldo. Na mesma hora, eu liguei para o Senhor Paulo André e o Ronaldo. Ronaldo ligou para o Petraglia. Na mesma ligação. Petraglia não quis pagar mais que a multa. E ali ficou um silêncio. Por volta das 22h00, o empresário comunicou que o jogador faria a rescisão. O que teve foi um negócio. Business. Cruzeiro me ofereceu o jogador por R$40 mi mais dois jogadores. Foi aí que ficamos sabendo da multa. Então, não teve sacanagem, não teve maldade, não teve ninguém pedindo para não renovar. Não venham justificar erro, amadorismo”.

O dirigente também comentou sobre os empréstimos de Zé Ivaldo e Jajá. O Cruzeiro soltou a nota apenas depois de anunciar os jogadores:

“Depois disso tudo ai, eu emprestei o Jajá, que queria ir para o Bahia, e liberei o Zé Ivaldo. E depois da liberação, eles soltaram a nota. Estamos vendo a atitude até estranha de hombridade e uma atividade covarde”.

Em entrevista à Rádio Itatiaia, Petraglia contou sobre a conversa que teve com Ronaldo. Segundo o presidente, o “Fenômeno” pediu R$ 17 milhões pela parte que cabia ao Cruzeiro (45%). Como o valor total superaria a multa, Petraglia avisou que pagaria o valor da cláusula.

“Se pagássemos esse valor pela parte do Cruzeiro, deveríamos pagar o proporcional aos outros parceiros também”, explicou.

Veja também