Em meio a celebração vibrante da mulherada, Athletico triunfa sobre o Galo Maringá

Compartilhe

Athletico vence com 2a1, alcançando sua primeira vitória em casa durante o ano do centenário

Em uma partida desafiadora e intensa, o Athletico alcançou a vitória. No entanto, durante a primeira etapa, apenas a equipe visitante apresentou maior perigo ao gol de Bento. Mesmo com o Furacão liderando o placar desde o segundo minuto de jogo, o Galo Maringá demonstrou determinação e conseguiu igualar a partida, trazendo perigo e tensão para a defesa do Athletico. Como anfitrião, o Athletico não aceitou esse resultado na segunda parte do jogo e dominou completamente a partida, conquistando sua primeira vitória diante de sua torcida no ano de seu centenário.

O Athletico abriu o placar logo aos dois minutos de jogo, com um gol de Julimar, que marcou seu primeiro gol em 2024 após um cabeceio que encobriu o goleiro do Galo Maringá. Apesar de várias tentativas de atingir o gol adversário, a equipe visitante aproveitou um contra-ataque e empatou o placar após uma falha de Thiago Heleno, resultando em uma situação de três contra um, onde Alex Nemetz empurrou para o gol, igualando o placar. A equipe do Athletico ainda sofreu pressão do Galo Maringá, que quase ampliou o placar após uma falha defensiva do Furacão. No lado do Athletico, dois cartões amarelos foram distribuídos para Gamarra e Jader.]

No segundo tempo, dominado pelo Athletico, o gol não saía. Com chutes de Erick, Zapelli e Julimar, o Furacão buscava seu segundo gol, mas sem sucesso. Na metade do segundo tempo, Pablo entrou em campo ovacionado pela torcida e não demorou muito para que o camisa 92 do Furacão recebesse uma bola e quase fizesse o gol. Então, com insistência, Madson encontrou uma oportunidade para cruzar para a área e Pablo, de primeira, acertou um chute no canto, marcando o segundo gol do Furacão e levando a torcida à loucura, pedindo “mais um” nas arquibancadas.

Houve espaço para o Athletico ter feito mais. Com Pablo, Julimar e Cuello, a equipe da casa parava nas mãos milagrosas de Patrick Ritter, goleiro do Galo Maringá. Um meio-campo diferente com Zapelli permitiu que o Athletico construísse mais jogadas e chegasse com muito mais perigo, buscando o terceiro gol.

A torcida, como sempre, fez a festa. Com 32.357 pessoas na arquibancada, a “mulherada da caveira” fez o caldeirão ferver e empurrou o Athletico, sendo o décimo segundo jogador. Foram mais de 90 minutos de festa, vibração, canto, gritos e muita emoção. Desde o aquecimento da equipe cantando, no Hino Nacional fazendo festa com respeito e também cantando o hino, até o último segundo de jogo com a vitória e muita festa fora das quatro linhas. O Athletico tem mais uma suspensão a cumprir, mas dessa vez o público será diferente, com pessoas acima de 60 anos presentes na Arena.

O próximo compromisso do Rubro-negro é quarta-feira (31), diante do Cianorte fora de casa, pela quinta rodada do Campeonato Paranaense.

Veja também