Fernandinho justifica má fase do Athletico: “processo transitório”

Compartilhe

Meia disse que gostaria da efeitivação de Wesley Carvalho e que Furacão tem que unir desempenho e resultado para dar "próximo passo"

“Capacitado, entende de futebol” foi como Fernandinho definiu o treinador do Athletico, Wesley Carvalho, na entrevista coletiva depois da derrota do Furacão contra o Flamengo, pela Copa do Brasil. Meia ainda disse que gostaria que treinador fosse efetivado, e comentou sobre a arbitragem da partida, a chegada de reforços e justificou fase ruim: “processo transitório”.

“Precisamos entender que os jogadores vem de um ano sob comando de outro treinador, que tinha outra maneira de jogar, outro conceito de jogo, e hoje estamos passando por um processo transitório que, querendo ou não, demanda tempo.”

Fernandinho, em entrevista coletiva

Mesmo que classifique o time neste processo de transição, jogador não deixou de elogiar o nível de atuação que o Athletico tem desde que Carvalho assumiu a equipe, há sete partidas – destas, time venceu apenas duas, e Fernandinho reconhece que o futebol depende dos resultados, mas que maneira de jogar agrada o elenco: “todo mundo está vendo claramente a mudança da maneira de jogar do clube, a forma como o clube jogou esses jogos sob o comando do Wesley”

Para Fernandinho, fase ruim não afeta a perspectiva, considerada de melhora em aspectos ofensivos e defensivos: “Já temos um planejamento para podermos trabalhar no dia a dia questões de posicionamento, saída de bola, para poder agredir um pouco mais o adversário no último terço do campo, para tomar as decisões corretas quando conseguimos passar a primeira linha de pressão.”

Fernandinho ainda atestou que Athletico, como um todo, está satisfeito com o trabalho do treinador, mas que depende do resultado. Jogador comentou pontos passíveis de análise para que haja melhora no elenco atleticano: “Treinar mais finalização? Treinar mais mais calma na saída de bola? Precisamos encurralar o time dos caras? Não sei, mas são situações que temos que analisar.”

Fernandinho, na partida contra o Flamengo | Foto: divulgação/Athletico

Boa atuação é “dose de alegria”

Fernandinho classificou a boa atuação do Athletico como “dose de alegria”, que – segundo ele – acontece desde a chegada de Wesley ao time. Jogador ainda fez análise sobre a partida contra o Flamengo: “É muito notável a maneira como o time criou hoje, no jogo passado contra o Fortaleza. Deixa uma pequena dose de alegria, mas o futebol é feito de resultado, precisamos transformar em gol as oportunidades que criamos.”

Meio campista continuou na mesma toada, disse que time precisa unir resultado e atuação e comentou exemplos práticos do que tem que ser feito dentro de campo, para isso:

Não é simplesmente chegar na linha lateral e cruzar bola na área, existe a possibilidade de fazer o gol, mas tem uma melhor maneira de agredir e deixar o adversário mais sufocado dentro da área, e se perder a bola já recuperar uma segunda bola para já iniciar outra jogada. Vamos trabalhar nesse sentido nessas próximas semanas, visando sempre a melhora coletiva e individual – em relação ao entendimento dos jogadores.

Vidal e Zapelli

Fernandinho elogiou as contratações de Arturo Vidal e Bruno Zapelli, ambos jogadores de meio campo. Meia projetou que chegada dos jogadores ajuda o Athletico por qualidade técnica e experiência, e garantiu: “Aí sim poderemos ver um Athletico mais coeso, equilibrado, principalmente nas tomadas de decisão.”

Quando perguntado sobre dividir meio campo com Vidal, brincou: “Será a gente precisa mudar o nome para asilo Athletico Paranaense?. Fernandinho, depois, elogiou o meia chileno das vezes em que puderam se enfrentar no futebol europeu, mas creditou função fora das quatro linhas ao jogador:

“nossa expectativa é de que ele ajude não só tecnicamente, mas fora de campo também, dando conselhos, ajudando os meninos – um jogador desse calibre tem muito a oferecer, quem for esperto vai poder extrair o máximo possível.”

Arbitragem

Fernandinho finalizou a coletiva de imprensa com críticas severas à arbitragem de Braulio da Silva Machado. Jogador considera partida em nível de importância de uma final, e criticou a falta de critério o árbitro na expulsão de Thiago Heleno: “o cartão vermelho do Thiago Heleno sai porque ele chega para separar uma confusão, e qual é o critério que é usado? Porque vão expulsar o jogador errado?”

Meia terminou resposta em tom de reflexão: “Como a gente está vivendo uma situação como essa da arbitragem? A preparação dos árbitros não está à altura da preparação dos times. Os árbitros atuam de forma não antiprofissional, mas à beira. Está beirando o antiprofissionalismo.

Veja também