No duelo de gigantes, River Plate levanta mais uma taça da Recopa

Compartilhe

Dominando as ações dentro de casa, o River Plate foi eficiente e fez a lição de casa.

Disputando o maior título do continente, River Plate (ARG), atual campeão da Libertadores e o Athletico Paranaense, que conquistou a Copa Sul-Americana em 2018, mediram forças em busca do troféu da Recopa Sul-Americana. O duelo aconteceu na noite desta quinta-feira (30) às 21h30 (de Brasília) no Estádio Monumental de Nuñez, em Buenos Aires, na casa dos argentinos. Jogando melhor dentro de suas dependências, o River Plate, venceu por 3×0 a levantou a taça da Recopa com gols de, Ignácio Fernandez, Lucas Pratto e Matias Suárez.

 

Com a vantagem de decidir o título em casa, mas estando atrás do placar no resultado agregado, o River Plate buscou tomar conta das ações da partida no tempo inicial. Percebendo o trabalho que o ataque do lado esquerdo do Athletico no jogo de ida causou, Gallardo, comandante da equipe, fez uma alteração na lateral direita dos anfitriões, sacando Mayada e colocando o jovem Montiel como titular da equipe.

 

Primeiro tempo

Sem muita ousadia das equipes no início da partida, o primeiro ataque do jogo veio com o volante Wellington, aos 5 minutos, em um arremate da esquerda que passou bem longe não causando nenhum susto ao time da casa. Depois de mais uns minutos de estudo, a pressão do time colorado começou, obrigou o goleiro Santos praticar importantes defesas, e sendo um dos destaques do time no primeiro tempo. Com os pés, o arqueiro atleticano não tão bem e acabou fazendo algumas reposições equivocadas. A primeira chance clara de gol, saiu dos pés de Pérez, aos 15 minutos, que pegou a sobra na falha de Paulo André, e no arremate, a bola estourou na trave do lado esquerdo de Santos.

 

Aos 17, Angileri tentou de frente para o gol, mas Santos estava bem posicionado. No mesmo minuto, Pratto tentou de cabeça, mas Santos segurou com firmeza. O Furacão chegou com perigo, apenas aos 18 minutos, após uma boa triangulação no contra-ataque, mas Rony acabou cometendo a falta de ataque. Aos 22, mais uma vez Pratto tentou e a estrela de Santos brilhou novamente depois do chute forte de perna direita no contra pé, o arqueiro atleticano praticou um milagre jogando a bola para escanteio. A resposta veio aos 28 minutos, quando Lucho deu um passe espatacular deixando Rony na cara do gol, mas o centroavante não alcançou. Armani segurou com firmeza.

 

Aos 29 minutos, Pérez apareceu mais uma vez, mas o chute de esquerda passou bem longe, Santos só acompanhou. Ainda no ataque, aos 30, o time argentino tentou mais uma vez, dessa vez com um chute cruzado mas Santos praticou boa defesa. O melhor ataque do Furacão veio aos 31 minutos, quando pelo lado direito Rony fez a sua jogada clássica deixando a zaga do River na saudade, e no cruzamento, Lucho apareceu na pequena área, arrematou em direção ao gol, mas Armani, que pouco trabalhou, fez uma defesa milagrosa. O último ataque da partida foi aos 46 minutos e mais uma vez com o time da casa. Com três minutos de acréscimo, o primeiro tempo chegou ao fim aos 48 minutos.

 

Segundo tempo

Estando em desvantagem e com o apoio de sua torcida, o River começou a todo o vapor o segundo tempo, e com seis minutos, o time argentino já tinha 4 tentativas de arremate ao gol e um escanteio. Mas a defesa do Athletico estava melhor posicionada, não deixando brechas para as tentativas de gols dos argentinos. Aos 11 minutos, Angileri faz boa jogada pela esquerda encontrando Ponzio dentro da área, o chute explode na defesa atleticana e sai pela linha de fundo. River assusta mais uma vez.

 

Depois de muita insistência em seus ataques, o River em mais uma jogada construida pela esquerda, pressionou e após uma confusão dentro da área, a bola acabou batendo nos braços de Lucho Gonzáles. Após a consulta ao VAR, a penalidade máxima foi marcada aos 16 minutos da etapa final.

 

Aos 17 minutos, a história tomava outro rumo. Depois do pênalti anotado, Ignácio Fernández de perna direita chutou forte no canto esquerdo de Santos, que brilhou mais uma vez defendendo o primeiro chute, mas deu o rebote, e Fernández estufou as redes.

 

Era o dia de Santos. O River era perigoso e insistente pela esquerda. A décima nova finalização do time da casa no jogo, saiu dos pés de Montiel que ficou cara a cara com o arqueiro atleticano que fez mais um milagre aos 28 minutos do segundo tempo. Aos 30 minutos de partida, o Furacão não conseguiu um ataque se quer no tempo final.

 

Aos 33 minutos, o Furacão mostrou que estava vivo, e depois de uma jogada iniciada pela direita, Renan Lodi experimentou de longe e obrigou o goleiro Armani a praticar uma difícil defesa. Aos 44, Cirino fez boa jogada, e deixou Léo Cittadini de frente para o gol, mas na dividida, a bola chegou fraquinho perdendo a direção.

 

Aos 45 minutos, Lucas Pratto recebeu um belo lançamento da esquerda para a direita, dentro da área, e o artilheiro da equipe argentina não perdoou e estufou as redes do goleiro Santos. River 2×0.

 

Aos 48 minutos, o River Plate confirma a conquista de mais uma Recopa. Após um chute despretencioso da defesa, Paulo André perde o tempo da bola e deixa Suárez de frente para o gol, e o garoto não disperdiçou.

 

O time argentino jogou melhor, dominou as ações da partida e levantou a taça de mais uma Recopa.

 

FICHA TÉCNICA
RIVER PLATE (ARG) X ATHLETICO PARANAENSE

 

Local: Estádio Monumental de Nuñez, em Buenos Aires na Argentina.
Data de Horário: 30 de maio de 2019, às 21h30 (de Brasília)
Arbitragem: Roberto Tobar (CHI) auxiliado por Christian Schiemann (CHI) e Claudio Rios (CHI).
Arbitro de Vídeo: Diego Haro (PER) auxiliado por Victor Carrillo (Peru) e Jonny Bossio (Peru)
Gols: Ignácio Fernandez, de pênalti. 16/2ºT (RIV), Lucas Pratto 45/2ºT, Matias Suárez 49/2ºT
Cartões Amarelos: Lucho Gonzáles (CAP), Martinez (RIV), Montiel (RIV), Bruno Guimarães (CAP), Renan Lodi (CAP), Wellington (CAP)
Público e renda:
River Plate (ARG): Armani; Montiel, Martinéz, Pinola e Angileri (Mayada); Enzo Pérez, Fernández, Ponzio (C) e Palacios (De La Cruz); Borré (Suárez), e Lucas Pratto. (4-3-1-2)
Técnico: Marcelo Gallardo
Athletico Paranaense: Santos; Jonathan (Brian Romero), Léo Pereira, Paulo André e Renan Lodi; Wellington, Lucho (C) (Léo Cittadini), Nikão (Marcelo) e Bruno Guimarães; Rony e Marco Rúben. (4-4-1-1)
Técnico: Tiago Nunes

Veja também