“Toco y me voy”, novo artilheiro e reinvenção

Compartilhe

Pré-temporada 100% elucida a consolidação de um caminho, continuaremos diferentes

 

Escrevo a primeira coluna de 2019 falando de um Athletico que ainda nem estreou, mas já traz boas esperanças ao torcedor rubro-negro. A começar pelos bastidores, quem imaginaria que diante de uma extensa série de consultas perderíamos, somente, duas peças titulares do conjunto campeão sul-americano? Pablo que, agora, assistirá a Libertadores do sofá, renderá ao clube mais de 30 milhões de reais. Trouxemos uma reposição à altura por muito menos. Raphael Veiga que, não nos pertencia e apresentava uma certa irregularidade, foi resposto por dois bons jogadores da posição. Renovamos com o maior expoente do título, Tiago Nunes. Renovamos com as joias da base, Renan Lodi, Bruno Guimarães e Léo Pereira. Renovamos com a canhotinha de ouro, Nikão. Construímos uma pré-temporada decente, jogos-treino/amistosos contra Guarani, General Díaz (Paraguai), aspirantes e Guaraní (Paraguai). Não teve nova identidade visual ou má campanha no primeiro turno do estadual que estragasse um planejamento convincente, Athletico se reinventa.

 

Dentro de campo, através do streaming (veio para ficar), pudemos acompanhar os amistosos contra os dois times paraguaios. Duas vitórias convincentes, contra General Díaz (2×1) e Guaraní (3×0). No primeiro amistoso, com direito a presença de público na Arena da Baixada, testamos o time pela primeira vez. Tiago Nunes resolveu equilibrar titulares e reservas, além de testar novas configurações táticas. Diferente de 2018, começou no 4-1-4-1 com variações para o 4-4-2 e, só por último, o 4-2-3-1. Como prometido, saiu da mesmice que o incomodava desde a reta final da temporada passada. Ritmo não pareceu de amistoso e o time foi pra cima dos paraguaios conseguindo marcar com Marco “El capitán” Ruben e Nikão. Argentino, por sinal, demonstrou estar ambientado ao estádio. Confirmou a qualidade que esperávamos sendo peça chave na quebra defensiva do adversário, além, claro, de já deixar a sua marca. Volantes tiveram muita liberdade, com destaque para o protagonismo do Bruno Guimarães e as boas estreias de Madson e Léo Cittadini. Agradou do General Díaz a postura, explicitamente, defensiva, fechando todos os espaços e fazendo com que o Athletico usasse mais da criatividade, principalmente, pelo meio e laterais, como será a maioria dos jogos em casa.

 

O segundo amistoso com presença de público na Arena da Baixada vale um destaque ainda mais especial. Athletico teve um adversário qualificado pela frente, o tradicional Guaraní do Paraguai, 11 vezes campeão nacional e atual quarto colocado na liga local (também é o atual campeão da Copa do Paraguai). O Furacão fez do “el cacique” um mero expectador do bom futebol. O placar de 3×0, que mais poderia ser 5 ou 6×0, representou uma evolução explícita do avançado estágio desejado. Nosso Tiago RETZLAFF Nunes colocou em campo uma formação um pouco mais parecida com a que deve ser utilizar na estreia oficial contra o Tolima-COL, no dia 5 de março, pela Libertadores da América. Renan Lodi, Nikão e Tomás Andrade começaram jogando em um 4-1-4-1 ainda mais agressivo/ofensivo que no usado no amistoso contra o General Díaz. Bruno Guimarães foi uma espécie de “camisa 10”, revezando articulação com o argentino ex-Galo e também com o Camacho. Teve “toco y e me voy”, dribles, jogadas bem trabalhadas e muita coletividade, também. Marco Ruben, com mais dois gols marcados, jogou um futebol estupendo, já caindo nas graças do torcedor rubro-negro. É o novo artilheiro. Tomás Andrade, antes discreto, mostrou um maior entrosamento com alguns lances técnicos. Renan Lodi, “Deus supremo” pelo lado esquerdo, repetiu o mesmo nível de 2018. Braian Romero, atacante ex-Independiente e Argentinos Juniors, fez sua estreia dando opção pelos lados do campo. Piazada da base, novamente, entrou muito bem, principalmente pela figura do Jáderson. Marcelo ganhou confiança com bola na rede. O torcedor que assistiu no streaming e esteve no estádio saiu esperançoso por bons campeonatos.

 

Manutenção, planejamento, fortalecimento, desejo de mudança … Torceremos todos por um time de guerra ainda mais encorpado. 

 

Que comece o 2019 da reinvenção.

 

 

 

Veja também