Wesley Carvalho explica substituições em derrota contra o Fortaleza: ‘dentro do planejamento’

Compartilhe

Treinador disse que mudanças ocorreriam independentemente da situação do jogo, segundo planejamento baseado na decisão pela Copa do Brasil

“A gente vem treinando propor jogo, construir, competir, então não tenho como reclamar deles. Tenho que parabeniza-los.” Foi como Wesley Carvalho encerrou coletiva de imprensa pós-derrota contra o Fortaleza, no Castelão, no último domingo (9).

Treinador respondeu a apenas três perguntas e teve discurso focado na explicação das substituições feitas no início do segundo tempo, que visaram, segundo o treinador, a decisão desta quarta-feira (12), contra o Flamengo, pelas quartas de final da Copa do Brasil:

“Todos eles são bons, merecem respeito e oportunidade sempre. Trouxemos para hoje os jogadores em melhores condições dentro do nosso planejamento da Copa do Brasil. Fica ruim porque sofremos um gol nos 15 minutos finais, mas também serve muito de aprendizado, tanto para os atletas quanto para nós da comissão.”

Wesley Carvalho chegou à sua sexta partida no comando do Furacão | Foto: divulgação/Athletico

Aos 17 minutos da segunda etapa, Wesley Carvalho substituiu o meia Léo Cittadini e o atacante Luciano Arriagada, destaques do time no jogo – tiveram duas combinações que geraram grandes chances de gol no primeiro tempo, uma perdida na marca do pênalti pelo atacante chileno.

Treinador creditou mudanças à falta de ritmo de jogo dos dois jogadores – Arriagada fez apenas uma partida completa em toda a carreira, e há mais de dois anos, em 01/05/2021, quando ainda pelo Colo-Colo-CHI: “normal que ele sinta no final”.

Técnico também sacou o lateral direito Khellven e o zagueiro Zé Ivaldo da partida, minutos antes, e disse que estas faziam parte do planejamento para a partida, seriam feitas independentemente da situação em que o jogo se encontrasse:

“Dentro do planejamento que fizemos não era para o Khellven fazer dois tempos, não sei se vou colocar ele ou o Madson no jogo contra o Flamengo. O Pedro [Henrique] e o Zé [Ivaldo] vinham de cinco jogos seguidos, então era um tempo para cada.”

Sobre a atuação do time, Wesley Carvalho disse que o Athletico construiu, conseguiu marcar o Fortaleza e poderia ter saído na frente no primeiro tempo, e que time perdeu o jogo por detalhes. Treinador ainda especificou uma situação que, para ele, mostra que o padrão é mantido entre titulares e reservas:

“Da mesma forma que é treinada a equipe A, são treinados também os suplentes, é um elenco. Conseguimos manter a mesma estrutura e o mesmo padrão – nós construímos muito a partir do Bento. Tivemos uma chance com Marcelo que saiu dos pés de Bento, rodou com o Pedro [Henrique], chegou ao corredor contrário, o Esquivel fez o cruzamento e no terço final acabamos errando.”

Carvalho promoveu as entradas de Willian, Marcelo Cirino, Lucas Esquivel, Pedro Henrique e Christian, no segundo tempo, e disse estar satisfeito com a atuação dos que entraram, mesmo que prejudicados pelo pouco ritmo, segundo o treinador, como nos casos de Bigode – recuperado de lesão muscular – e Marcelo, que esteve há mais de um ano em recuperação de lesão no joelho:

“Estamos satisfeitos, mas um pouco chateados pelo resultado. O futebol precisa do resultado, infelizmente. Isso nos tira um pouco do normal, mas temos que ter mental forte, equilíbrio, estou satisfeito do que foi apresentado dentro do contexto, não com o resultado, mas com o que foi apresentado dentro do jogo.”

Veja também